Publish 20 Outubro 2016

 

MEGAFONE, vídeo digital, cor, som estéreo, 16'50", 2016


> download  português  english  download <

 
MEGAPHONE, digital video, color, stereophonic sound, 16'50", 2016

 

https://leglessspider.wordpress.com/aparelhos_cnpq/

 

A Galeria Farol Arte e Ação está divulgando as exibições públicas gratuitas desta obra.

Envie a data e local para o email da galeria para inserirmos na agenda.

Farol Art and Action Gallery is announcing public screenings of this work.

Send us detailed informantion on the venue and dates by email and we will be happy to add it to the calender.


 

Publish 20 Outubro 2016

 

 

 

 Inundação, 2016 - instalação

 

Um Lugar Dentro do Outro

Deborah Bruel

 

A Galeria Farol Arte e Ação coloca-se como um espaço de arte atípico no sentido institucional e mercadológico no campo da cultura. Porque, apesar de ser uma galeria, comercializar trabalhos de arte, fomentar e produzir exposições e propostas artísticas, culturais colaborativas, demonstra ter um grande interesse em incentivar práticas que gerem pesquisa, interação e novas formas de fazer, mostrar e até de comercializar arte.

Pensando nesta abertura, eu propus, com a participação dos alunos do último ano do curso de Escultura da UNESPAR Campus I - EMBAP, um projeto de investigação e debate sobre os conceitos de instalação site-specific e práticas site-specificity, que ancoram-se em propostas artísticas produzidas especificamente para locais determinados, seja galeria, museu ou espaço público. O primeiro conceito está relacionado à trabalhos cujo foco é formal, levando em conta características físicas destes espaços e sua reverberação na percepção do indivíduo. Já, site-specificity, nomenclatura proposta por Miwon Kwon, engloba práticas artísticas com engajamento político, e cujas abordagens na reelaboração do lugar tendem a ser mais históricas e sociais.

A partir deste panorama discutimos as possibilidades para práticas artísticas procurando o equilíbrio entre forma e conteúdo: que na forma estejam contemplados conteúdos e aspectos históricos, sociais e políticos do site. A pesquisa e discussões ocorreram a partir do mês de julho de 2016, e serão encerradas com a desmontagem da exposição em novembro de 2016.

Um lugar dentro do outro trata-se, portanto, de uma exposição de Deborah Bruel na Galeria Farol Arte e Ação com a proposta Inundação e Objeto 1: site specífic adaptável, e com a participação de Ana Storino, Barbera van den Tempel, Felipe Ferreira, Georgete Zelazowski e Leonardo Mercher. Assim como a Farol está situada dentro da Bicicletaria Cultural, que está localizada no centro de Curitiba, as propostas artísticas aqui estão dadas dentro do contexto específico da Farol e da Bicicletaria a partir de outro contexto o da academia. Pois, enquanto artista e professora num curso de formação de artistas, entendo que uma coisa está imbricada na outra de maneira indissociável. A minha contribuição educativa parte de minha experiência artística, e esta se retroalimenta das trocas em sala de aula e ateliê.

 

Objeto site-specific adaptável 2 , 2016. MDF e espelhos

 

Abertura: 01 de Novembro às 18 horas

Bate-papo sobre a exposição - Sábado 25 de novembro às 11 hs

 

 

A obra Olho Mágico  revela fotos tiradas de ângulos incomuns encontrados no local.

 Ana Storino convida o visitante a descobrir imagens da Galeria Farol e da Bicicletaria Cultural por meio de dezenove monóculos.

 

 

Barbera van den Tempel apresenta o trabalho  FOR ALL , que parte da relação de convivência entre a Bicicletaria Cultural e a Galeria Farol Arte e Ação que dividem um espaço onde os trabalhos muitas vezes se fundem. No entanto, do lado de fora, ou seja, na rua não se nota muito essas atividades. Há apenas uma pequena placa na porta que anuncia sua existência.

 Assim sendo, o vídeo FOR ALL  mostra uma descida de bicicleta na Rua São Francisco que termina na porta da Bicicletaria Cultural. Os paralelepípedos que pavimentam a rua contribuem para um tremor na imagem, e o áudio é decorrente do barulho da própria câmera batendo no meu peito junto com alguns ruídos da bicicleta. A duração do filme é aproximadamente dois minutos, e será mostrado em forma de loop.

 

 

Felipe Ferreira apresenta um trompe-l'oeil criado a partir da sobreposição de fotografias feitas na Bicicletaria Cultural para simular aberturas em duas de suas paredes.

Essas aberturas unem uma sequência de ambientes, os quais pela perspectiva se colocam dentro do outro

 

 

 

Georgete Zelazowski faz da sua obsessão em acumular coisas a sua prática artística.

Para a exposição um lugar dentro do outro, foram coletados objetos dentro do próprio espaço da Bicicletaria, onde se encontra a Galeria Farol.

A partir deles foi construído o trabalho  MEU FAROL, MEU VER.

 

 

Leonardo Mercher propõe a inauguração de uma placa da Galeria Farol Arte e Ação no dia da abertura da exposição.

É também de Leonardo Mercher Desnível, três intervenções nos degraus dos espaços da Bicicletaria e da Galeria Farol.

O trabalho parte da invisibilidade da galeria para o passante da rua e busca permitir o acontecimento de um evento dentro de outro. O link do evento é:

https://www.facebook.com/events/1137982829571385/?ti=as

 

Um Lugar Dentro Do Outro

Abertura: 01 de Novembro às 18 horas

 

 

 

Publish 25 Setembro 2016

 

SUSPENSA AFLORA ou Para Levantar um Jardim do Chão

Camila Rocha

 

 

 
A solo exhibition with works specially commissioned by Farol Art and Action Gallery, to bring together the imaginary of the New Species of Plants with trimmed canvas plants; Seeds (drawings) done beside a waterfall  in the middle of the Atlantic Forest using it’s humidity for growing; Gardens of Suspended Seeds (photography) and a wall paper of two mirrored plants reproducing around 15 times each. It also cohabits in this environment the found elements of resting (blue wooden stools) and two domesticated plants in a pot of a clay water filter endemic of Brazil. During the opening it was played continuously “A day in Amazon”, by the musician Naná Vasconcelos XUXAxbhttps://www.youtube.com/watch?v=PBJBQ in his homage.

This project had the assistance of
Maiza Verastegui and Samuel Dickow.

 

 
 

 

 

 


                     

 

 

 

 

Sobre a artista/About the artist click here

Video of Sefatoryum:
https://www.youtube.com/watch?v=f2zj-Sxw4iA

Artigos Recentes/Recent articles:
http://www.dailysabah.com/arts-culture/2016/06/18/camila-rocha-explores-the-enigma-of-plants-in-istanbul-show
http://www.dailysabah.com/expats-corner/2016/04/05/awareness-sustainability-and-nature-in-the-city
http://www.artnet.com/galleries/tina-kim-gallery/the-naturalists-milena-bonilla-yang-ah/
http://cityboxathista.blogspot.com.tr/2014/09/exhibition-rhizome-at-gallery-non.html

 

Publish 15 Julho 2016

Sustento - vista da exposição - foto Gilson Camargo

 

 

Voracidade - vista da exposição - foto Kraw Penas


 

 

O coletivo Kókir apresenta Sustento/Voracidade um projeto que se realiza simultaneamente em dois espaços físicos e simbólicos: O Museu Paranaense, que atualmente desenvolve estudos nas áreas da Arqueologia, Antropologia e História, e a Galeria Farol Arte e Ação, que joga luz sobre a produção crítica nas práticas contemporâneas. A exposição Sustento é apresentada no espaço da Galeria Farol Arte e Ação e a exposição Voracidade acontece no Museu Paranaense.

Sustento/Voracidade estabelece um diálogo entre arte contemporânea, indígenas e cidade. As exposições apresentam objetos mestiços, que reforçam a dissolução entre grupos e fronteiras culturais. O coletivo Kókir, que significa fome na língua Kaingang, é autor dos objetos criados a partir de objetos feitos pelos indígenas. Formado pelos artistas Tadeu dos Santos e Sheilla Souza, o coletivo Kókir apresenta em Sustento/Voracidade obras fruto de sua aproximação com indígenas Kaingang, residentes na Associação Indigenista – ASSINDI – Maringá.

As criações do Coletivo Kókir simulam uma mordida em fruteiras feitas pelos Kaingang. As fruteiras são feitas pelos Kaingang da Terra Indígena Ivaí (PR), com fibra sintética trançada sobre grades de ventiladores. Os objetos apresentados possuem três camadas sobrepostas: a produção industrial, a indígena e a do coletivo. A fusão permite que possam ser vistos como objetos urbanos industrializados e ao mesmo tempo artesanais, pelo trançado Kaingang. Depois da intervenção do coletivo Kókir, os objetos passam a ter uma terceira dimensão simbólica, incorporada ao contexto da arte contemporânea.

A exposição Sustento será inaugurada no dia 2 de agosto na Galeria Farol Arte e Ação. Voracidade abre no dia 3 de agosto no Museu Paranaense.

 

 

Objeto Sustento 10

Rio das Cobras, 2016

Coletivo Kókir e Joanilton da Silva
Grade de ventilador e fibra sintética
150 x150 cm

 

 

 

Gravura Sustento 14

Kaa guy Guaxu Palmital, 2016
Coletivo Kókir
Impressão em papel algodão
20 x 20 cm

 

 Cerco Grande, 2016 
Coletivo Kókir e Joanilton da Silva
Gaiola e fibra sintética 46 x 46 x 21 cm

 

 

Barão de Antonina, 2016 
Coletivo Kókir, Luiz da Silva e Joanilton da Silva
Carrinho de mercado e fita sintética 57 x 92 x 105 cm

 

O coletivo Kókir é formado pelos artistas Tadeu Santos e Sheilla Souza

 

SOLICITE GRATUITAMENTE O CATÁLOGO EM VERSÃO DIGITAL!!! Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

SERVIÇO:

SUSTENTO/VORACIDADE

Coletivo Kókir

SUSTENTO

Abertura: 2 de Agosto às 18h

Visitação: De 3 a 25 de Agosto

Terça a Sexta: 14h às 19h

Local: Galeria Farol Arte e Ação

Rua Presidente Faria, 226 – Subsolo

www.farolshow.com.br

 

VORACIDADE

Abertura: 3 de Agosto às 18h

Visitação: De 4 de Agosto a 29 de Outubro

Terça a Sexta-feira: 9h às 18h

Sábados, Domingos e Feriados: 10h às 16h

Local: Museu Paranaense

Rua Kellers, 289

 

 

 

 

 

 

 

Histórico