TEMPORADA DE PERFORMANCE

INTERNATIONAL PERFORMANCE MEETING

CURITIBA, BRASIL - 30.11 - 09.12

 

 

THE BLACK KIT

 

The Black Kit contain the Material and the ideas many single persons, groups, organizations, associations and information about
artists-run-spaces.
It contain documentation about events, festivals and other forms of presentation with structure of communication.
The B.K. host information, texts, facts about projects which gave directions in the performance art network.
Included are also temporary projects as potential material.

Further on, as an archive the B.K. Has contents
a) embrace a collection of theoretical publications (texts , essays, books, catalogues, artists-statements) about performance,
performance art, performing arts and intermedia arts.
It contents 3000 named international artists, 500 Dossiers and documentation about the different organizations in the
different performance art networks.
b) concepts and information about intentions for cultural, social and public spaces. Also alternated activities in the society.

 

 

 

http://www.blackkit.org

http://paersche.org/network/the-black-kit/

 

 

Sexta, 24 Novembro 2017 00:00

PAErsche LAB // Oficina de Performance

 

 

 

 

Neste sábado tem Portfolio EXTRAVAGANZA!!!!

 

Em uma tarde de encontros para apresentação de projetos dos artistas Camilla Loreta (São Paulo, SP), Cristina Calderoni (Ravenna, Itália) e do Coletivo Selo Dois (Curitiba, Pr); residentes vindos diretamente da Encosta Residência na Ilha do Mel. Estarão presentes a artista Gio Soifer e Elisa Cordeiro de Britto, gestoras da Encosta Residência. Será um dia de delicadezas e trocas e também de confraternização com o grupo recém chegado da ilha e a comunidade local. 

 

 registro de conversa com Camilla Loreta em seu estúdio na ilha do Mel - foto Margit Leisner

 

 imagem de ação performativa de Cristina Calderoni em Viena
 
 

Sobre os residentes:

Cristina Calderoni desenvolve o seu processo artístico a partir do encontro. Para Cristina, ser nômade é uma forma de existência e esse é o material da sua prática. Cristina vive e trabalha em Viena, e nasceu na cidade de Ravenna, Itália.

A instalação e a coleta são os fios condutores na prática artística de Camilla Loreta. O material têxtil é recorrente gerando redes de convívio. Camilla vive e trabalha em São Paulo, SP.

Selo Dois é um organismo artístico nascido da parceria das  práticas artísticas de Fran Ferreira e Marcos Frankowicz. A pesquisa e produção do Selo Dois é principalmente próxima à palavra, operando através de diferentes meios e procedimentos, na intenção de expandir as relações do sujeito com elementos da escrita, leitura, fala e escuta. "Percebemos durante o percurso da nossa produção, a possibilidade de abrir uma palavra, fazendo surgir um vocábulo expandido e pondo em cheque seus significados aparentes, evidenciando camadas sociais, culturais e políticas mais profundas. Buscamos sempre experimentar novas linguagens, não se atendo a uma questão de forma, mas a utilizando como veículo comunicativo das propostas. Além da dimensão mais objetual, há também o pensamento, elaboração e articulação de projetos, oficinas, conversas e proposições, gerando um corpo coletivo de trabalho envolta das questões dos nossos trabalhos." 

 

 Fran Ferreira e Marcos Frankowicz - foto Elisa Cordeiro


A Encosta é uma residência transdisciplinar porque aposta no entrelaçamento das artes com outras disciplinas. Um espaço para discutir novas maneiras de atuação no campo ampliado da arte e o lugar do artista como agente transformador do entorno. Conheça aqui no link mais sobre a residência e o seu contexto na Ilha do Mel: http://www.encosta.com.br/

 caminhada ao fim de tarde - foto Margit Leisner

Sexta, 29 Setembro 2017 00:00

Sauna

     

Uma conversa quente com Irene de Craen (HMK) e Keila Kern

A hot talk with Irene de Craen and Keila Kern

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Português

Irene de Craen é diretora artística do Hotel Maria-Kapel, um espaço sem fins lucrativos e residência artística em Hoorn, na Holanda.

Ela irá falar à respeito de espaços sem fins lucrativos na Holanda e a sua atual pesquisa "Undercurrents" que tem por objetivo questionar a relação entre instâncias históricas e do presente de movimentos como o colonialismo, comércio e migração bem como infra-estrutura e o significado da mobilidade no campo da cultura com foco especial nas residências artísticas.

Keila Kern é doutora em Poéticas Visuais ECA USP (2014).  Ela apresenta 20 dias de noites mal dormidas. Critica, pensamento e estratégia na arte: dois casos em Marcel Broodthaers.

English

Irene de Craen is artistic director of Hotel Maria Kapel, an artist-in-residence, non-profit space in Hoorn, The Netherlands.

She will talk about non-profit spaces in the Netherlands and her current research 'Undercurrents' that aims to question the relation between historic and present-day instances of movement such as colonialism, trade and migration, as well as the infra-structure and significance of mobility within the cultural field, with a special focus on artist-in-residencies.

Keila Kern is Doctor in Visual Poeticas at ECA USP. She presents 20 days of barely slept nights. Critic, thought and strategy in art: two cases in Marcel Broodthaers.

 

 

Sexta, 01 Setembro 2017 00:00

FarolShow - Preview

 

Nesta VII edição FarolShow da Farol serão apresentadas 28 obras.

Um grande desafio para todos – incluindo o público.

Parte da arrecadação será destinada ao apoio de dois programas de residência artística a Encosta e a Sem Licença.

A Galeria Farol Arte e Ação apresenta:



 

 


 





 






 



 





 










Sem Licença é uma residência em arte contemporânea voltada para a produção e pesquisa em arte. O projeto está aberto a receber diferentes perfis de artistas, mas seu foco de concentração

e interesse é fotografia, pensamento fotográfico e artes impressas. A residência está diretamente relacionada à Galeria Ponto de Fuga espaço expositivo, cultural e de encontro, situado no centro de Curitiba.

Encosta é um projeto que surgiu do desejo de transformar uma casa de veraneio em um espaço de encontro, afetividade, formação livre e compartilhamento de experiências.

Vivenciar a paisagem da Ilha do Mel, tendo como premissa práticas de escuta e coletividade, criando um cenário de pertencimento como potência de transformar

e ser transformado. Encosta é uma residência transdisciplinar porque aposta no entrelaçamento das artes com outras disciplinas. Um espaço para discutir novas maneiras de atuação no campo ampliado da arte e o lugar do artista como agente transformador do entorno. Conheça aqui mais sobre esta iniciativa.

 

FarolShow é uma dramatização do mercado de arte contemporânea com alguns dos seus elementos mais conhecidos tais como o agente de vendas, a doutora em artes visuais, a galerista,  artistas e o público. Em uma performance que não apenas se estrutura no acontecimento mas que pensa também em seus desdobramentos como força motriz para a atualização do cenário artístico e das aquisições. O conjunto de obras apresentadas é determinado - por adição - considerando-se a escolha de cada artista/autor convidado. A curadoria se dá, portanto, no nível da ação: o ato de carregar e sustentar cada obra, uma a uma exibida diante do público pelo tempo que culmina da aquisição da obra.

A iniciativa, idealizada pela equipe da Farol Arte e Ação desenvolve sua sétima edição em parceria com a residência artística Encosta.

Este encontro inaugara o programa exuberante que consiste em uma plataforma dedicada ao campo das poéticas desenvolvidas em residências artísticas. A partir deste cenário, o FarolShow   sediado na Galeria Ponto de Fuga, celebra e incentiva os novos projetos de residências Encosta e Sem Licença.

 

 

 

Ficha Técnica:

 

Roteiro: Leo Fressato, Keila Kern, Margit Leisner

 

Administração: Vanessa Leiko

 

Embalagem: Fer Stancik aka.Mulher Bolha

 

Apresentação: Rita Lina, Keila Kern, Margit Leisner, Elisa Cordeiro de Brito, Gio Soifer

 

Som: Andre Sheinkmann

 

Colaboração artística: Giovana Soar

 

Participação especial: Juana Profunda

 

Realização: Encosta Residência, Galeria Farol Arte e Ação e Galeria Ponto de Fuga

 

Apoio: Festival de Curitiba, Companhia Brasileira de Teatro, Valentim Quaresma e Ginger Bar

 

 

 

 

 

 

 

Segunda, 07 Agosto 2017 00:00

Portfolio EXTRAVAGANZA

 

 

Portfolio EXTRAVAGANZA

 01.10.17

 

detalhe/detail - Deborah Bruel

"Após algumas experiências com instalações site-specifics para espaços expositivos, desenvolvidas desde 2008, o projeto de doutorado apareceu como uma oportunidade de enfrentar o desafio de ter uma grande instituição de arte como objeto de estudo e também como destino final do trabalho artístico. Desta maneira, o Museu Oscar Niemeyer, inaugurado em 2002-2003, se tornou meu ponto de partida para a pesquisa, e o ponto de chegada do projeto desenvolvido."

 

Aqui você encontra detalhes de SOBRE 34mil m² da artista Deborah Bruel / Here you can find detailed presentation of ABOUT 34thousand m² from Deborah Bruel:: https://deborahbruel.wordpress.com/2017/11/22/sobre-34mil-m²/

 

 

 

 

 

 

 

 


 

SAUNA     

Uma conversa quente com Irene de Craen (HMK) e Keila Kern

A hot talk with Irene de Craen and Keila Kern

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Português

Irene de Craen é diretora artística do Hotel Maria-Kapel, um espaço sem fins lucrativos e residência artística em Hoorn, na Holanda.

Ela irá falar à respeito de espaços sem fins lucrativos na Holanda e a sua atual pesquisa "Undercurrents" que tem por objetivo questionar a relação entre instâncias históricas e do presente de movimentos como o colonialismo, comércio e migração bem como infra-estrutura e o significado da mobilidade no campo da cultura com foco especial nas residências artísticas.

Keila Kern é doutora em Poéticas Visuais ECA USP (2014).  Ela apresenta 20 dias de noites mal dormidas. Critica, pensamento e estratégia na arte: dois casos em Marcel Broodthaers.

English

Irene de Craen is artistic director of Hotel Maria Kapel, an artist-in-residence, non-profit space in Hoorn, The Netherlands.

She will talk about non-profit spaces in the Netherlands and her current research 'Undercurrents' that aims to question the relation between historic and present-day instances of movement such as colonialism, trade and migration, as well as the infra-structure and significance of mobility within the cultural field, with a special focus on artist-in-residencies.

Keila Kern is Doctor in Visual Poeticas at ECA USP. She presents 20 days of barely slept nights. Critic, thought and strategy in art: two cases in Marcel Broodthaers.

 

 

 

 


 

Neste sábado tem Portfolio EXTRAVAGANZA!!!!

 

Em uma tarde de encontros para apresentação de projetos dos artistas Camilla Loreta (São Paulo, SP), Cristina Calderoni (Ravenna, Itália) e do Coletivo Selo Dois (Curitiba, Pr); residentes vindos diretamente da Encosta Residência na Ilha do Mel. Estarão presentes a artista Gio Soifer e Elisa Cordeiro de Britto, gestoras da Encosta Residência. Será um dia de delicadezas e trocas e também de confraternização com o grupo recém chegado da ilha e a comunidade local. 

 

 registro de conversa com Camilla Loreta em seu estúdio na ilha do Mel - foto Margit Leisner

 

 imagem de ação performativa de Cristina Calderoni em Viena
 
 

Sobre os residentes:

Cristina Calderoni desenvolve o seu processo artístico a partir do encontro. Para Cristina, ser nômade é uma forma de existência e esse é o material da sua prática. Cristina vive e trabalha em Viena, e nasceu na cidade de Ravenna, Itália.

A instalação e a coleta são os fios condutores na prática artística de Camilla Loreta. O material têxtil é recorrente gerando redes de convívio. Camilla vive e trabalha em São Paulo, SP.

Selo Dois é um organismo artístico nascido da parceria das  práticas artísticas de Fran Ferreira e Marcos Frankowicz. A pesquisa e produção do Selo Dois é principalmente próxima à palavra, operando através de diferentes meios e procedimentos, na intenção de expandir as relações do sujeito com elementos da escrita, leitura, fala e escuta. "Percebemos durante o percurso da nossa produção, a possibilidade de abrir uma palavra, fazendo surgir um vocábulo expandido e pondo em cheque seus significados aparentes, evidenciando camadas sociais, culturais e políticas mais profundas. Buscamos sempre experimentar novas linguagens, não se atendo a uma questão de forma, mas a utilizando como veículo comunicativo das propostas. Além da dimensão mais objetual, há também o pensamento, elaboração e articulação de projetos, oficinas, conversas e proposições, gerando um corpo coletivo de trabalho envolta das questões dos nossos trabalhos." 

 

 Fran Ferreira e Marcos Frankowicz - foto Elisa Cordeiro


A Encosta é uma residência transdisciplinar porque aposta no entrelaçamento das artes com outras disciplinas. Um espaço para discutir novas maneiras de atuação no campo ampliado da arte e o lugar do artista como agente transformador do entorno. Conheça aqui no link mais sobre a residência e o seu contexto na Ilha do Mel: http://www.encosta.com.br/

 caminhada ao fim de tarde - foto Margit Leisner

 


 

Convocatória aberta / Open Call

 07.08 até 06.09

 

Está aberta a convocatória para apresentação de portfólios com Irene de Craen e curadores convidados. Podem participar da seleção artistas graduados ou com ao menos 5 anos de prática. Para participar solicitamos o envio dos conteúdos listados abaixo para o email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.:

- portfólio com 10 a 15 imagens (no máximo!) de projetos/trabalhos recentes que melhor ilustram o que o artista desenvolve atualmente.

- um breve texto/declaração artística de aprox. 300 palavras

 É  necessário que xs artistas tenham boa comunicação oral em inglês.

Serão selecionados até 6 artistas que irão apresentar suas pesquisas atuais junto aos curadores. Quais são os seus questionamentos, preocupações e temas? Durante o evento será preparada uma refeição para todos os participantes. O resultado da seleção será publicado até o dia 12/09.

 

Portfolio EXTRAVAGANZA integra Catatau :: Uma proposição de Irene de Craen, Hotel Maria Kapel - Hoorn, Holanda para ao programa Primitiva

Portfolio EXTRAVAGANZA is part of Catatau :: A proposal by Irene de Craen, Hotel Maria Kapel - Hoorn, Holand for the Primitiva program.

 

Sobre/About

Hotel Maria Kapel (HMK) é um espaço de exposição, residência artística e cinema dedicado à arte visual contemporânea que fica no centro da cidade de Hoorn, cidade histórica situada 40 km ao Norte de Amsterdam na Holanda. HMK é uma organização sem fins lucrativos que tem por objetivo favorecer artistas jovens bem como artistas mais estabelecidos - de todos os lugares do mundo - na produção de novos trabalhos e promover intercâmbios entre artistas nacionais e internacionais, instituições culturais e o público. O estúdio/espaço de exibição da HMK está localizado em uma capela do início do século 16, cercada por um pátio semi-privativo. este belo, tranquilo e amplo ambiente de trabalho oferece aos artistas residentes um espaço único para reflexão, experimentação e produção. A HMK situa o artista no centro das atividades e estimula a tomada de risco como elemento chave do desenvolvimento artístico. O programa público de exposições, projeções, palestras, oficinas e publicações almeja desafiar as perceções do que constitui a arte contemporânea e trazer o espectador para perto da prática que a motiva.

O próximo programa da HMK para 2018 e 2019 entitulado Undercurrents tem por objetivo questionar a relação entre as instâncias de movimento históricas e do presente tais como o colonialismo, comércio e migração, bem como o significado da mobilidade no campo da cultura com foco especial nas residências artísticas.

Irene de Craen recebeu Bacharelado em Artes da Royal Academy of Fine Arts/Academia Real de Belas Artes em Haia e bacharelado e mestrado em História da Arte, Era Recente, da Universidade de Amsterdam. Atualmente é diretora artística na Hotel Maria Kapel em Hoorn, editora e escritora freelancer e membra ativa do conselho da Plataform BK (Plataforma para Artes Visuais). Ela tem contribuido em revistas e sites nacionais e internacionais tais como Metropolis M, e Frieze e tem contribuido como autora e editora na Mister Motley e na Tubelight. Em 2011 e 2012 foi curadora do FATFORM no Sudoeste de Amsterdam. Interesses pessoais e objetos de estudo incluem as iniciativas artísticas, pós –colonialismo, epistemologia, coleções e o arquivo.

English

Hotel Maria Kapel (HMK) is an artist-in-residence, exhibition space and cinema for contemporary visual art in the city centre of Hoorn; a historic town 40 kilometres north of Amsterdam, the Netherlands. HMK is a non-profit organization that aims to assist young as well as more established artists from all over the world in the production of new work and promote exchanges between national and international artists, cultural institutions and the public. The studio/exhibition space of HMK is located in an early 16th century chapel, surrounded by a semi-private courtyard. This beautifully tranquil and spacious working environment offers the artists-in-residence a unique space for reflection, experimentation and production. HMK places the artist at the centre of its activities, and stimulates risk-taking as a key element of artistic development. The public programme of exhibitions, screenings, lectures, workshops and publications, aims to challenge perceptions of what constitutes contemporary art, and bring the audience closer to the practice that motivates it.

HMK’s upcoming programme for 2018 and 2019 entitled Undercurrents aims to question the relation between historic and present-day instances of movement such as colonialism, trade and migration, as well as the infra-structure and significance of mobility within the cultural field, with a special focus on artist-in-residencies.

Irene de Craen received a BA from the Royal Academy of Fine Arts in The Hague and a BA and MA (cum laude) Art History, Recent Era, from the University of Amsterdam. She is currently artistic director at Hotel Maria Kapel in Hoorn, freelance editor and writer,and active board member of Platform BK (Platform for Visual Arts). She has contributed to national and international magazines and websites among others Metropolis M, and Frieze, and has been a contributing author and editor for Mister Motley and Tubelight. In 2011 and 2012 she was a curator at FATFORM in Amsterdam Southeast. Personal interests and objects of study include artist's initiatives, post-colonialism, epistemology, collections, and the archive.

link Hotel Maria Kapel http://hotelmariakapel.nl/wp/


 

 

 

 

English_It is with joy that we announce the first open call of the ENCOSTA artistic residence, located at Ilha do Mel, Paraná, Brazil. In this year of 2017, we will celebrate, with the entry of spring, September 24, the beginning of our activities, which will last 4 weeks, ending on October 22.

On October 25, in Curitiba (after the period of stay in Ilha do Mel), a speech is scheduled to be given by the residents about processes developed during the program. The event will take place in partnership with the Galeria Farol Arte e Ação - project of the artist Margit Leisner.

The program is intended for visual artists, audiences, performers, writers, researchers, ... and all those enthusiastic to develop a work based on a collective experience and mutual exchange with the local context.

Three (3) projects will be contemplated, from Brazilians and / or foreigners, who will have as a field of poetic research the environment (Ilha do Mel), and the community participation.

 

Brasilian_É com alegria que anunciamos a primeira convocatória aberta da residência ENCOSTA, localizada na Ilha do Mel, Paraná, Brasil. Neste ano de 2017, celebraremos, junto a entrada da primavera, dia 24 de Setembro, o início das nossas atividades, que terão duração de 4 semanas, encerrando dia 22 de Outubro. As inscrições estão abertas e vão até o dia 23 de julho.

No dia 25 de Outubro, em Curitiba (após o período de estadia na Ilha do Mel), está agendada uma fala, ministrada pelos residentes, sobre processos desenvolvidos durante o programa. O evento acontece em parceria com a Galeria Farol Arte e Ação - projeto da artista Margit Leisner.

O programa é destinado a artistas visuais, sonoros, performes, escritores, pesquisadores, (...) e todos aqueles entusiasmados em desenvolver um trabalho a partir de uma vivência coletiva e de troca mútua com o contexto local.

Serão contemplados três (3) projetos, de brasileiros e/ou estrangeiros, que terão como campo de investigação poética o entorno (Ilha do Mel), e a participação da comunidade.

Saiba mais aqui: http://encosta.com.br

Inscrições / Application:  https://www.formpl.us/form/5500733937942528

 



 

 

Paisagem na Arte - Expedição Artística

 

com Daniela Vicentini

 

De 15 a 18 de Junho de 2017

 

A Expedição artística - edição Casa Rio Sagrado apresenta um panorama da história da paisagem na arte do Renascimento à Arte moderna. Encontro para estar na natureza, fazer caminhadas, vivenciar um conteúdo, estar com pessoas. As atividades artísticas são parte do processo de aquisição do conteúdo, não é preciso saber desenhar nem pintar, basta estar disposto a experimentar. A data coincide com o feriado de Corpus Christi, são 4 dias de descanso ativo!

local:

A Casa Rio Sagrado é um complexo de residências na região serrana de Morretes, Pr.  O local une conforto respeitando as condições da fauna e flora em seu entorno. Um lugar para pouso e contato com a paisagem que se abre para receber a proposta de Daniela Vicentini.

pré-requisitos:

O curso é voltado para jovens e adultos, artistas ou não artistas e que tenham interesse em compreender movimentos de construção da paisagem na história da arte. As caminhadas são de pouco grau de dificuldade.

o que trazer:

Sapatos para caminhadas, mochila que caiba prancheta tamanho A4, kit de pintura que será fornecido no curso, garrafa de água, repelente e protetor solar. O clima da serra é ameno nesta época do ano, porém, é prudente levar equipamentos de proteção contra chuva.

Inscrições:

Valor: R$ 890,00 por pessoa / pagamento em até 2 x

Vagas: 8

O valor do curso inclui: materiais de pintura, hospedagem*, caminhada botânica e cachoeira com acompanhamento de guia , 3 jantares produzidos por Paulo Peruzzo, anfitrião da Casa Rio Sagrado.

Prazo de inscrição: 4 de junho

As instalações coletivas são confortáveis. Caso haja interesse, uma suíte exclusiva poderá ser reservada. Valores e disponibilidade sob consulta. Não é preciso trazer lençóis nem toalhas de banho. É possível cozinhar e usufruir da casa.

Informações: 041 99690 77 32

 

 registro Expedição artística - Edição Florianópolis, SC

 

 

 Casa Rio Sagrado, detalhe da varanda

 

 

Organização dos dias

quinta-feira

chegada à partir do meio dia

16:00 às 18:00 - início das atividades, apresentação do curso

19:30 - jantar (incluso no pacote com suco e chá)

sexta - feira

10:00 as 12:00 caminhada e atividade artística - tema: Renascimento

pausa almoço (livre, não incluso no pacote, é possível cozinhar na casa)

15:00 as 18:00 atividade artística e observação de obras: tema: Barroco

finalização no anoitecer -

19:30 - jantar incluso no pacote com suco e chá (bebida alcoólica à parte)

sábado

10:00 as 12:00 caminhada e atividade artística - tema: Romantismo

pausa almoço livre

15:00 as 18:00 - atividade artística: tema: Impressionismo

19:30 - jantar incluso no pacote com suco e chá (bebida alcoólica à parte)

domingo

10:00 -12:00 atividade artística - tema: Arte moderna

finalização

almoço opcional : Barreado do Paulo

 

Daniela Vicentini é bacharel Pintura (EMBAP-PR), mestre em História da arte (PUC-Rio). Escreve sobre arte, realiza curadorias, é professora, roduz aquarelas, feltragens e desenhos. Vencedora do prêmio editorial Iberê Camargo, publicou Tríptico para Iberê (Cosac Naify, 2010) e Arte Brasileira nos Acervos de Curitiba (Segesta, 2010). Em 2014, realizou a exposição individual M ar, pelo edital Fernando Beck, no centro cultural Badesc, em Florianópolis; em 2015 a individual Vai, vem ver, no Museu da Gravura, Solar do Barão, Curitiba-PR.

 

 

 Esta ação integra o programa Galeria Farol Arte e Ação 2017.

Pensamento nômade, formas errantes.

 


 

Domingo, 26 Março 2017 00:00

A Forma de Uma Pergunta

AniversárioShow Boiler Farol 2019

imagens: Fabiana Caldart

 

 

 

 

 

 

FarolShow é uma dramatização do mercado de arte contemporânea com alguns dos seus elementos mais conhecidos. Integram o evento artistas e produtores culturais que orbitam nas proximidades da Farol Galeria de Arte e Ação. A iniciativa, idealizada por Margit Leisner, é realizada em parceria com Keila Kern e Leo Fressato. Dando a ver sentidos e colocações; organizem-se os seguintes pressupostos: 

artista e galerista - margit leisner

doutora em história da arte - keila kern

músico e compositor, o artista e leiloeiro - léo fressato

O conjunto de obras apresentadas é determinado - por adição - considerando-se a escolha de cada artista/autor convidado. A curadoria se dá, portanto, no nível da ação: o ato de carregar e sustentar cada obra, uma a uma exibida diante do público pelo tempo que culmina da aquisição da obra. 

 

Foram viabilizadas 95 aquisições até a quarta edição.

Participaram das quatro edições do LeilãoShow desde 2014 os seguintes artistas:

Plá, Alex Cabral, Cleverson Oliveira, Juan Parada, Janete Anderman, André Mendes, Fran Ferreira, Keila Kern, Thalita Sejanes, Vivaldo Vieira Neto, José Roberto da Silva, André Azevedo, Fernando Rosembaum, Marcos Fracowicz, Goura Nataraj, Gabriel Gallarza, Luana Navarro, Simara Ramos, Debora Santiago, Deborah Bruel, Lourenço Duarte de Souza, Elaine Stankiwich, Cleverson Luis Salvaro, Walter Menon, Lailana Krinski, Milla Jung, Lidia Sanae Ueta, Fabio Noronha, Juliana Gisi, Rodrigo Dulcio e Gabriele Gomes, Lina Faria, Ligia Borba, Fernando Franciosi, Ana Bellenzier, Alex Hamburger, Carlos A.Mattos (aka Tantão), Daniela Vicentini, Eduardo Freitas, Eliane Prolik, Gilson Camargo, Jack Holmer, Maria Baptista, Pierre Lapalu, Rimon Guimarães, Rubens Mano, Tony Camargo, Traplev e Samuel Dickow.
 

poema concreto da série lances, 2015

poema concreto da série lances, 2015

 

Transcrição da matéria produzida para o programa Toda Tarde, da TV Transamérica.

Entrevistador: Como é que a gente define o valor de uma obra?

Margit: Essa é uma boa pergunta. Nós optamos por realizar o LeilãoShow justamente como uma forma de resposta a essa pergunta. Trazendo o público, reunindo os artistas e a produção local de arte contemporânea e propondo um lance inicial de trinta reais (R$ 30).

Entrevistador: Trinta reais…

Margit: Que é quase constrangedor, né? (risos)… então, a gente joga essa pergunta para o público.

Entrevistador: O público.

Margit: Somam-se todos os desejos e potências e, no caso do LeilãoShow, o valor vai ser determinado por esse conjunto.

Entrevistador: No último leilão que vocês fizeram, que obras vocês puderam contemplar?

Margit: Durante o LeilãoShow são exibidas cerca de 25 obras de arte.

Entrevistador: Na sua maioria quadros?

Keila: Não. Foram 3 leilões, cada um com 25 obras e em todos tivemos várias linguagens. Fotografias, pinturas, desenhos, video, performances, áudios… nós lidamos com arte contemporânea e com a produção viva e pulsante da cidade. Então, nós colecionamos essas pessoas que estão à fim desse desafio, as pessoas que estão a fim de encarar o desafio nesse embate na distribuição das obras; que são tanto os artistas – que são os maiores aventureiros nesse leilão – quanto o público.

Entrevistador: O público comparece? A maioria são artistas aqui mesmo da cidade?

Keila: A grande maioria são pessoas com quem convivemos na galeria, são pessoas com quem convivemos nos debates, nas palestras, nas exposições, em outras galerias, na rua. São as pessoas que estão pulsando, produzindo muito próximos a nós.

Entrevistador: Você falou, Keila, que são artistas que buscam sempre enfatizar a cidade. A visão contemporânea, a visão urbana… você tem um tema, ou não?

Keila: Ah, eu disse isso?

Entrevistador: Sim.

Keila: Tá bem dito então (risos). Eles também falam de amor, falam de dor, de almoço, de jantar, mas… da cidade, nós estamos vivendo em Curitiba tanta tensão, está tão próprio para elaborarmos discursos e conversarmos, que é uma boa pedida. O LeilãoShow não é curado, não tem esse cerceamento. Na verdade a Margit faz o convite, nós fazemos, a Margit em especial faz o convite aos artistas – que aceitam ou não – e eles escolhem os trabalhos que eles colocam.

Margit: Isso é bem importante pra gente, que o artista faça a escolha da obra, então as obras que estão ali, elas tem um sentido para o artista de estarem ali. E eu acredito que isso torna o Leilão Show bastante especial.

Entrevistador: Que legal isso, hein!

Keila: E são obras que desafiam. Elas não apaziguam os ânimos, elas desafiam o âmbito, o ambiente e as pessoas que estão ali.

Entrevistador: Eu senti que o diferencial, que essa exposição, ela não fica estanque ali na pintura, né? Tem um leque, uma vertente muito grande de opções para o artista. Cada qual, a gente sabe que cada um tem uma forma de expor os seus sentimentos, né? Que na verdade arte é isso, ele tem que expor seus sentimentos, deixar impresso em alguma coisa. Não necessariamente em uma tela.

Keila: Exato. E quando ele imprime o seu trabalho em um áudio? Um mp3 que não tem nem materialidade? Você pode gravar tanto um CD quanto um pendrive, quanto…

Entrevistador: Então vou fazer uma pergunta, Keila, de repente se essa banda aqui, Curitibocas…

Keila: Pois é…

Entrevistador: Quisessem expressar o sentimento que eles tem por Curitiba, pela arte, através de um mp3, poderia?

Keila: E a gente leiloava então.

Entrevistador: Olha!

Keila: Eles iam lá como público e depois já se tornariam obra e a gente ia tentar vender isso. Por que não? A partir de trinta reais, né?

Margit: O LeilãoShow é uma plataforma, né, que reúne a produção contemporânea não somente no sentido da materialidade das obras mas também reunimos músicos – por exemplo nesse IV LeilãoShow vamos contar com a participação da Raíssa Fayet, que é muito querida, uma pessoas que a gente admira bastante – reunimos gastronomia, pois é um elemento bem importante pra gente na dramaturgia do leilão – pois é um LeilãoShow, não é um leilão tradicional. A gastronomia que é feita com muito cuidado, geralmente a gente chama a Naty Fogaça pra fazer a gastronomia. Enfim, são trabalhos autorais que não são necessariamente uma pintura.

Entrevistador: Como surgiu a idéia do LeilãoShow?

Margit: A idéia do LeilãoShow foi uma visão, uma inspiração, ela foi bastante intuitiva, eu não teria outra resposta. Mas, eu acho que bastante motivada pelo que a gente percebe que é o pulso da produção na cidade, em Curitiba. Nós somos pessoas do mundo, a gente viaja, a gente conhece bastante coisa e considera que Curitiba é uma cidade no mundo. É uma cidade como outra qualquer, no melhor sentido. Então reunir a demanda que essa produção nos apresenta é um grande prazer.

Entrevistador: E como que vocês avaliam essas obras? Para serem leiloadas, expostas, como que funciona esse processo?

Margit: Funciona a partir da própria obra. Por exemplo, vamos imaginar que um artista nos apresenta uma fotografia. Nós convidamos o artista, ele nos envia a obra de sua escolha, vamos ver se essa fotografia está emoldurada, se ela tem moldura ou não e como vamos apresentá-la, porque as obras são apresentadas uma a uma. O Léo Fressato é o nosso leiloeiro oficial, performer leiloeiro. E todas as obras vem com uma narrativa à respeito do histórico dessa obra. Então, basicamente é isso. Na verdade é muito simples, basicamente nós entendemos que é importante reunir as pessoas e dar voz à produção.

Entrevistador: Você falou à pouco que o LeilãoShow é uma grande plataforma e já está na quarta edição. Vocês tiveram a grata satisfação há quatro anos atrás de ter a pessoa que pela primeira vez teve a oportunidade de entrar nessa mostra e conseguiu mostrar pra que veio e teve uma ascenção e pode dizer: Olha, o meu trabalho já está no mercado. Como é que é Keila? Conta pra gente.

Keila: O LeilãoShow começou no ano passado, as três edições aconteceram no ano passado.

Entrevistador: Perfeito. Perfeito.

Keila: Mas o brilho foi dividido por todos os artistas e o próprio LeilãoShow.

Entrevistador: Nós temos aqui uma obra ilustrando o nosso bate-papo (imagem abaixo).

  

Keila: Olha que legal! "Descanso na Rua XV durante fuga para o Egito (Depois de Giambattista Pittoni) " - da série "O Barroco no Realismo Social" - 2012/2013

Entrevistador: Vocês falem pra gente disso aí.

Margit: É uma obra do Pierre Lapalu. Essa obra não está participando desse leilão, ela faz parte do repertório desse artista.

Keila: É uma fotografia com uma intervenção. Ele constrói aí um traço, uma fantasia. É belíssimo.

Entrevistador: Fala bem do contexto urbano, né? Essa foto especificamente.

Keila: Completamente. E a gente reconhece muito bem a especificidade do lugar. Pierre Lapalu é formado em gravura pela Escola de Música e Belas Artes, um excelente artista dessa cidade.

Entrevistador: Temos mais algumas fotos? Roda pra gente lá Gaúcho, faz favor. Aqui é a galeria?

bastidores do III LeilãoShow da Farol

Margit: É. Aqui temos imagens dos bastidores do LeilãoShow. Se não me engano essa (imagem) foi da segunda edição. Nós nos reunimos com os artistas sempre antes de começar o leilão e é uma celebração. O LeilãoShow é uma celebração sempre muito especial para todos nós. Onde os artista podem também se ouvir, saber o que o outro está fazendo. Então nesse momento a gente está começando a chegar ali com os artistas, olhando os trabalhos.

Entrevistador: Bacana. Vamos agora para o lugar onde o LeilãoShow acontece que eu acho que é um lugar bastante inusitado. É lindo! Ele fica perto do bicicletário?

Margit: Da Bicicletaria Cultural. E a Praça de Bolso do Ciclista… que é o que está mostrando aí.

autor desconhecido

Entrevistador: Como é o nome dessa rua?

Margit: Rua São Francisco.

Entrevistador: Vocês agora devem conhecer os artistas, aqui agora é um point, vários barzinhos, é um point noturno, né? Lota. Era um point abandonado em Curitiba, não?

Margit: É um ponto que, durante alguns anos apesar de ser uma zona residencial né – tem muitas pessoas que ali residem há mais de 30 anos. Tem uma escola ali também. Mas fiicou um pouco afastada do trajeto das pessoas. Então já nos últimos anos essa rua foi sendo retomada pela presença das pessoas também muito em função da construção da praça de bolso do ciclista. Foi feita toda em mutirão, então acredito que essa atividade, o fato de as pessoas estarem ali não só tomando cerveja mas enfim, fazendo algo, construindo…

Entrevistador: A Farol fica aonde ali?

Margit: A Farol fica na Presidente Faria com a São Francisco. Então ela fica dentro da Bicicletaria Cultural.

Entrevistador: Ali no subsolo?

Margit: No subsolo da Bicicletaria Cultural.

Entrevistador: Aqui tem mais uma obra.

lina faria, sem título, 2014

Margit: Lina Faria. É fotógrafa, uma presença importante na cidade. A Lina pode ser vista nas ruas da cidade sempre com sua máquina fotografando. Acredito que ela tem um acervo de um olhar sobre a cidade que não se restringe a esse momento de agora, já faz muitos anos.

Entrevistador: Bacana. Margit, você é formada em Artes Visuais, é isso?

Margit: Sim.

Entrevistador: Você estudou também danças clássicas. Viajou pela Europa… Ela tem estilo de bailarina, o rosto dela clássico (risos). Viajou por vários lugares, você já encontrou algo assim nessa proporção, como é que está o Brasil em termos de arte? Valorização desses pequenos espaços onde oportuniza o artista iniciante expor sua obra já em um leilão. Como é que é?

Margit: Bom, esse formato eu não o conhecia de nenhum outro lugar. O que sabemos é que, por afinidade, os artistas estão se colocando no sentido de iniciativas, empreendimentos, de contextualizar a produção, e que são motivados… enfim, os artistas estão tomando as rédeas e não mais esperando uma legitimação que venha de fora somente. Nós conhecemos todas as formas de legitimação, mas também vemos essa possibilidade de distribuição, de tomar a frente.

Keila: Fazer acontecer.

Margit: Com o nosso discurso, embasado – claro temos bagagem. Ninguém está brincando. A gente se preparou para isso e estamos aí.

Entrevistador: Claro, o fator financeiro é importante mas, tudo o que é exposto está à venda nesse leilão?

Margit: Sim, tudo.

Keila: Você repete o termo exposição, eu acho interessante.

Entrevistador: Porque tem uma exposição que é mais importante que o próprio leilão… (todos falam ao mesmo tempo)

Keila: Veja, é uma exposição tão inusitada que os quadros, as obras, os trabalhos, não estão na parede. Eles são segurados, estão firmes no palco pelo tempo que estão sendo observado por todos, na hora em que ele é descrito, na hora em que ele é vendido, com os lances que se sucedem. Começa lá com trinta e a coisa vai esquentando, então é muito mais tempo do que nós pousaríamos (o olhar), pararíamos em uma exposição tradicional.

Entrevistador: Por exemplo, entra ali uma peça em um leilão tradicional, 1, 2, 3 arrematou, acabou, né?

Keila: Mas em uma exposição também. Quanto tempo um espectador fica diante de uma obra. No LeilãoShow nós ficamos porque ela está viva….

Margit: Até a exaustão, até realmente a disputa se polarizar de forma que…

Keila: … e ela é a única peça que está sendo exposta naquele momento. Depois ela some e vem outra. São 25 obras… então tem essa associação temporal.

Entrevistador: E o público? É variado, que vai, que curte isso? É acessível ao público?

Margit: Nós estamos sedentos por cada vez mais variedade de pessoas que querem conhecer. O LeilãoShow também é uma forma de conhecer arte.

Entrevistador: Verdade. Então eu pergunto, pro público leigo, se bem que falar de arte é muito complicado, né? Mas, pro público leigo que tem interesse em conhecer um leilão e assistir uma exposição… ele fica às vezes um pouco, puxa mas será que… eu não vou entender nada… o que é que precisa… se bem que você já me respondeu nos bastidores que a beleza está nos olhos de quem vê, né? Como é que é isso?

Keila: Eu acho que basta estar vivo. O interesse por arte é universal. Todos, todos temos. Todos nos arrumamos para estar aqui hoje, estamos todos belíssimos. Então, tenho certeza que o interesse é de todos. Está lá e a compreensão vai vir deste interesse.

Margit: Exatamente. Isso inclusive é algo que a gente preza muito, acredito que não existe uma forma certa de ver o belo.

Keila: Está nos olhos de quem vê.

Margit: Temos um amigo que diz que a beleza tem várias formas. Trata-se talvez da pessoa ficar tranquila se não estiver entendendo de uma certa forma, pois talvez esteja entendendo de uma outra forma. E se aqui toca ou gera algum questionamento então ela vai ter um contexto para se familiarizar, para poder participar desse mundo.

Entrevistador: Você falou do desejo, né? Se de alguma forma aquela obra toca o espectador, então ali surge um desejo.

foto gilson camargo

 

 Veja aqui links com detalhes das obras, histórico just in time, etc.:

http://www.olharcomum.com.br/4-leilao-show-farol-galeria-de-arte-curitibapr/

https://www.facebook.com/leilaoshowfarol?ref=hl