Somos Simples, Somos Errantes

A FAROL ARTE E AÇÃO 2017

Histórico

A Farol ARTE E AÇÃO é uma iniciativa auto-dependente dedicada à noção de mobilidade (ex. mobilidade urbana, trânsito entre linguagens, etc.). Estabelecida pela artista Margit Leisner em 2014 com o intuito de atualizar o pensamento contemporâneo à partir de perspectivas locais. A partir de 2014 até novembro de 2016, a FAROL promoveu 26 eventos; 9 exposições sendo 2 coletivas e 7 individuais e 6 edições do LeilãoShow, evento que propõe uma dramaturgia crítica do negócio da arte (art business)

O estabelecimento de um espaço físico - a Galeria Farol Arte e Ação – foi o primeiro movimento de um ciclo de ações que se desenvolveu principalmente no espaço físico e simbólico da São Francisco, na Bicicletaria Cultural em Curitiba. A Bicicletaria Cultural; onde surge a Farol, foi escolha de uma idéia relacionada à um endereço, com infra-estrutura do local e pessoas envolvidas. Em vizinhança com a Associação dos Ciclistas do Alto Iguaçú – a CicloIguaçu - constituiu-se bagagem determinante para o repertório de saberes e não-saberes que foram assimilados e irradiados no centro de Curitiba ao longo de 2 anos e 8 meses.

2016

Em 2016 a Farol trouxe à público uma sequência de exposições elaboradas pelos artistas Pierre Lapalu, Coletivo Kókir de Maringá, a artista Camila Rocha vinda de Istambul e de Deborah Bruel com o grupo de pesquisadores Ana Storino, Barbera van den Tempel, Felipe Ferreira, Georgete Zelazowski e Leonardo Mercher do último ano do curso de Escultura da Escola de Música e Belas Artes UNESPAR. Em diálogo com o espaço da galeria, a sua arquitetura e o signo que porta, estas exposições deram contornos crescentes ao repertório de práticas site-specif evidenciado em Um Lugar Dentro Do Outro / Inundação, de Deborah Bruel. Além das exposições, a FAROL recebeu o artista Brandon Labelle para uma conversa à respeito da sua produção (janeiro, 2016); e foi ponto de partida do processo de Caminhada Harmônica, da artista Gio Soifer, em Curitiba. Harmônica pode ser entendida como "um dispositivo que permite a expansão do corpo físico através de um movimento básico que é a respiração". Registros da caminhada coletiva pela urbe podem ser acessados aqui. Ainda, no sentido do trânsito, o convite para realizar a curadoria de artes visuais da sexta edição do LABmoda foi recebido como um grande desafio. Entre as ações propostas pela FAROL na esfera desta curadoria citamos o painel de pré-lançamento do evento, realizado em etapas como um volume de bobinas de papel kraft por designers, ilustradores e artistas como Alexandre Linhares, Thalita Sejanes, Artestenciva Melo, Sarah Bauer, Lui Zucherelli, Winnie Z. Campos, André Coelho, Lucas Ramos, Ivana Cassuli e Ale Magno e o Mapa Para CiclarTe, que busca incentivar contextos para um olhar  crítico e também bem humorado sobre a infra-estrutura para ciclomobilidade na cidade de Curitiba. O mapa integra a revista do LABmoda e foi desenvolvido em colaboração com a CicloIguaçu. Entende-se a versão publicada como um piloto a ser atualizado em diálogo com ações pontuais, vindouras principalmente no que concerne à indicação de rotas e dos cuidados ao pedalar.

 

detalhe da instalação Inundação, de Deborah Bruel

 

 Gio Soifer apresenta o dispositivo Harmônica

 

 

Poema da Cumplicidade

era um homem interior, no interior das casas. consumia os lugares como se esgotasse o espaço à força do pensamento. não ficava muito tempo em parte alguma, seguia. diziam que, quando visto à socapa, sem se aperceber disso, vomitava tijolos. alguns de casas muito antigas pelas quais passara havia tantos anos. uma mulher, talvez a sua mulher, punha-se entre os tijolos e criava uma cozinha. alimentavam-se depois, os dois, de um misto de saudade e inusitada capacidade de mudar.

somos simples, somos buracos

                      ao canto do dia,

         através de nós vê-se tudo.

Valter Hugo Mãe enviado por Bernadete Amorin

 

 

Não Pergunte, 2014

imagem do espaço que a Farol veio a ocupar na Bicicletaria Cultural 

 

Presente

Desvincular a FAROL da expressão de um esquema fixo e definitivo é um movimento estratégico e radical (embora não seja irreversível) no espectro das ações realizadas até aqui. Esta disposição para a errância desestabiliza e ao mesmo tempo consolida o ímpeto primeiro da FAROL que é o de organizar constituindo; a jogar luz sobre aspectos do presente que, não raramente, encontram na premissa da instabilidade a sua potência de ação mais pungente. Artistas, profissionais de diversas áreas, amigos e amantes da arte são a medida viva dessa constelação. Das propostas estéticas que se apresentam no horizonte do momento, interessam à FAROL aquelas que entram em diálogo com as formas errantes, investigativas e de processos capazes de re-significar as moedas correntes no negócio da arte. De colocar-se à cada vez em posição afirmativa de novos contornos. A FAROL joga luz em 2017 sobre agentes em deslocamento, errância, formas nômades e as práticas site-specific. Para isso, criamos um programa que se articula à partir do relevo arquitetônico e que se desenvolve com base no princípio da hospitalidade: hóspede//anfitrião. Será um período de aproveitamento provocado; de distâncias em centímetros, das linhas graciosas, ritmadas, sem pressa. 

 

Inauguração das placas da FAROL, de Leonardo Mercher - Um Lugar Dentro Do Outro, nov. 2016

 

 

 

Nossos agradecimentos à Bicicletaria Cultural e à CicloIguaçu e em especial à todos que colaboram, acreditam, incentivam e participam das nossas realizações.

Em breve será publicado nosso calendário de exposições e oficinas.

 

A Galeria Farol Arte e Ação apóia o Manifesto pela Manutenção do limite de 40km. Trânsito acalmado, lá vamos nós! Aqui é possível assinar a petição:

https://secure.avaaz.org/po/petition/Prefeitura_Municipal_de_Curitiba_Manutencao_do_limite_de_40_kmh_na_Area_Calma_em_Curitiba/?fWygBib

 

Histórico coo_zine