De Alex Hamburger na FAROL

 
Navegantes, preparem-se.
 
A Farol recebeu um baú de tesouros impressos vindos de terras cariocas. Entre eles constam, entregues em mãos, as seguintes publicações do poeta Alex Hamburger:
 
"Gazetas Esportivas" - Alex Hamburger - Editora Circuito - 2014 - 44 pp. 
 
Neste 'quase libreto', sua mais recente aventura poética, Alex Hamburger à guisa de fazer uma homenagem
ao talvez mais sardônico músico de todos os tempos, Erik Satie, criador de obras como "Música para móveis",
e "Três peças na forma de uma pera", nos oferece uma pequena amostra de sua veia fluxista e disruptiva.
 

         xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

 
"110/220v" - Alex Hamburger - Editora Achiamé - 1988 - 97 pp. 
 
Composta na maior parte de poemas em prosa, a linha de força desta segunda coletânea do autor 
é a assunção de "poemas-abjetos", imersos até o fundo da página na admissão de que vivemos 
numa era de vazio consumista, onde os valores são tão demasiadamente humanos que certo tipo  
'de poesia é quase indetectável pelo fato de resistir à inúmeras investidas de conversão. 
Vale ainda destacar que alguns poemas deste livro anteciparam a "poesia conceitual", que somente 
surgiu em 1994 (portanto 6 anos após este livro), e hoje é um dos recursos literários mais praticados 
na poesia experimental norte-americana.
 
 
 
 
 
 
Conversas - Flying Letters Manifestos - Ed. par(ent)esis - 2012 - edição bilingue - 154 pp. 
 
Correspondência que mantiveram Ricardo Basbaum e Alex Hamburger entre os anos de 1993 a 1995.
Dois dos mais eminentes artistas performáticos cariocas surgidos nos anos 80, Basbaum, de Londres, e AH do 
Rio de Janeiro, abordam nestas missivas questões candentes da arte contemporânea dos anos 80 e 90 no circuito 
brasileiro e internacional, indo das suas experiências em arte performance, novas mídias a pesquisas sobre a pertinência 
das vanguardas e seus maiores representantes, análises críticas das poéticas do campo ampliado da época e os 
desdobramentos destas ações no século XXI. Publicação essencial para artistas e pesquisadores terem acesso
à um recorte da produção experimental brasileira que (in)formou e irrigou novas bases para a nossa produção cultural.
 
 
 

Histórico coo_zine